quinta-feira, 9 de abril de 2009

MEU DESESPERO!


Hoje o dia parecia normal até que ouvi uma buzina, fui atender o portão e me deparei com um carteiro demonstrando grande euforia. Me entregou a correspondência sem parar de falar a causa de seu sorriso.
De acordo com ele, aproximadamente há 6 anos eu "orientei" sua esposa num trabalho de conclusão de curso e agora, ele se encontrava desesperado com o prazo vencendo de entregar seu pré- projeto e não consegue sair do lugar, de modo que ao pegar a correspondência com nome de meu esposo e conferir o endereço, entendeu que encontrou a solução para o seu problema. Um pouco constrangida (por conta do seu entusiasmo),disse a ele que não prestamos mais tais serviços, porém, mediante sua insistência, assegurei-o de que conversaria com meu esposo a respeito e entraria em contato com ele.
Este pediu se poderia trazer alguns materiais para averiguar o que ele pretende,eu disse que sim, ele se despediu e se retirou.
Por volta das 11:20 horas, a Sara Danuta teve a idéia de levar balas e ovinhos de chocolate para a tia Jô da van, e para todos os amigos da mesma, bem como para sua professora. Como a Sara e o Davi tem uma porção de tias e tios, é comum ganharem muitos doces, especialmente em ocasiões de páscoa e natal, então ela resolveu dividir o que já ganhou com os amigos.
Colocaríamos em pacotinhos com fitinhas...
De forma nenhuma eu quero frustrar este tipo de iniciativa, pois descobri, conforme estudiosos que este querer dar, repartir...é um dom presente principalmente nas meninas e se desenvolve pela vida adulta...
O problema é que as 12:40h, a van estaciona no portão buscar a Sara para a escola e nesse mesmo período de embalar os doces, tinha que preparar o almoço, auxiliar a Sara no banho, alimentar o Davi, este que já estava com fome, choramingando e pendurando nas minhas pernas pela casa...minha sogra ligou sem nenhuma pressa...e...o carteiro voltou com uma pasta de materiais...
Ao falar com ele no portão, estava preocupada com os doces, as panelas, o Davi que estava comendo terra sob o sol do meio dia...
Bem, para resumir, não sei exatamente o que eu disse ao carteiro mas, sei com precisão o que ele entendeu que eu disse.
Ele se despediu agradecendo e dizendo que amanhã ele liga para saber o preço que cobrarei pelo serviço e para saber quais materiais serão necessário para a MONOGRAFIA.
Hoje meu esposo trabalha até as 19:00h, quando chegar em casa pedirá, como de costume, como foi meu dia...
Pouparei palavras, apenas pedirei a ele para ler isto e se possível, postar um comentário.

1 comentários:

Deividh de Sá disse...

Postar Comentário? Tudo isso em um dia só?
Sem comentários...rs...rs...rs...