domingo, 28 de março de 2010

Isabella Nardoni:Uma criança Dentre Muitas "Isabellas"


Esta semana, na medida do possível, acompanhei através da mídia o julgamento de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá relativo ao caso Isabella Nardoni.
No último dia de julgamento não fui dormir até ver o veredito.
Nestes dias me lembrei de muitas situações de violência contra crianças e adolescentes que eu e meu esposo já vivenciamos enquanto educadores sociais.
Lembrei-me de uma situação específica ocorrida no ano de 1999, em que um pai (portando uma faca na mão), após brigar com a esposa, ameaçou jogar a filha de 4 anos da janela do apartamento.
Naquela época trabalhávamos no S.O.S. Criança e este segmento atendia ocorrências como esta em parceria com a polícia militar e o conselho tutelar.
Não tem como esquecer daquele lindo rostinho moldado por cachos louros.
Principalmente do horror estampado no rosto daquela garotinha vítima de irresponsabilidade daqueles que deveriam protegê-la.
Após uma longa negociação com o irado pai, a garotinha foi entregue aos cuidados da equipe do S.OS. Criança para os devidos encaminhamentos.
Embora esta garotinha tenha sofrido abalos psicológicos talvez irreparáveis, saiu do tumulto com vida.
A história de Isabella Nardoni teve outro desfecho...
Não, eu não iria dormir antes de ver o veredito, o meu coração clamou por justiça, entretanto, constatei que no meio dos sentimentos que me envolvera tanto neste caso como de outros semelhantes, os conceitos de justiça e perdão pareciam se misturar, se parecia intrínsecos e ao mesmo tempo antagônicos.
Sei que do mesmo modo que clamamos por justiça para Isabella, Jesus clamou, lá na cruz, um clamor muito além do nosso, dando a sua vida pelos cruéis assassinos desta mesma menina!
Então aguardei o veredito, ouvi a voz convincente do Juiz lendo a sentença!
Para minha surpresa, não houve alívio no meu coração, acreditei na justiça, porém, não consegui ir dormir tranquilamente após o resultado.
Precisei orar pelos muitos “Alexandres”, pelas muitas “Annas Carolinas”, e, principalmente, clamar pelas muitíssimas “Isabellas”...
A morte de Isabella Nardoni, conseqüência de violência contra a criança, foi julgada; este caso acompanhado por milhares de brasileiros...
A menina Isabella foi para os braços de um Pai amoroso e justo..., assim foi seu destino, foi para o lar!
Mas, a dor que sinto agora, o clamor que faço agora; não é por esta Isabella da história em questão, da mídia.
Não, minhas lágrimas são pelas “Isabellas” de histórias anônimas;
“Isabellas” escondidas em mulheres e homens vítimas de rejeção, violência física, de violência sexual...
“Isabellas” escondidas nos levitas, nos profissionais liberais, em pastores...
“Isabellas” sem destino certo;
“Isabellas” que em silêncio, gritam por socorro, por liberdade;
É por aquelas “Isabellas” escondidas em prostitutas e homossexuais vítimas de abuso sexual na infância, que clamo por justiça, libertação, perdão e cura!
Que Deus possa levantar muitos “Franciscos Cembranellis”, que tenham sede de justiça;
E mais que desejo de justiça secular, que Deus levante homens e mulheres do Senhor com conhecimento, sabedoria, ousadia, autoridade e temor do Senhor para interceder, ensinar as nossas crianças no caminho em que deve andar...
E principalmente, que Deus possa curar e restaurar as famílias, estas, que são projetos do Senhor...
Que cada pai possa representar o PAI dos pais nos seus lares;
Pais com o caráter do PAI;
Com a misericórdia do Pai;
Com o amor que é o próprio Pai!
Para que “Isabellas” possam crescer, viver, serem felizes, saradas, amadas...
“Isabellas”... Sempre belas!

2 comentários:

Patrícia Angélica disse...

Cleo, fico pensando nesta mãe! Sinto a dor dela! É claro que não dá para comparar, mais, só uma mãe sabe o que é a dor da perda de um filho! Gostaria de saber onde vamos parar neste mundo cruel? Que Deus proteja todas as famílias.

Beijos

cleoniceluiza@zipmail.com.br disse...

É amada, uma boa reflexão, no meu post eu não incluia mãe da Isabella.
Com certeza é uma dor que só o Espírito Santo consolador poderá dar alívio...
Resta nos uma certeza, é que se a Ana, mãe da Isabella receber Jesus Cristo como seu único Salvador, ela pode ter esperança...esperança de no céu encontrar sua filhinha!
QUE DEUS PROTEJA AS FAMÍLIAS!