terça-feira, 15 de dezembro de 2009

O PAI PRÓDIGO


Refletindo sobre a passagem bíblica do filho pródigo, busco traçar um paralelo com “o pai pródigo”.
É real, o pai pródigo existe, ele é meu pai.
Havia um homem casado com uma linda mulher de estatura média, cabelos castanhos claros longos e olhos esverdeados; mãe de 5 meninas e um menino.
O homem em questão tinha posses como terra e gado, havia sustento para sua família, entretanto, o referido homem movido pela sensualidade, sempre desejava encontrar realização em outras “terras”...voltar seus olhos para outras mulheres além de sua esposa.
Almejando possuir uma terra, a qual não lhe pertencia, praticou um homicídio. Após cumprir a penalidade aplicada pela lei, não retornou ao lar, com posse da metade dos bens da família, continuou em busca de prazeres como mulheres, álcool, cigarro, farras, afinal era jovem e viril, galanteador e, ainda, tinha uma certa quantia em dinheiro...
Em uma possível visita de sua esposa quando ainda estava preso, originou-se mais uma menina.
Para este homem obstinado por “liberdade”, sua esposa e seus sete filhos não foram motivos para detê-lo.
Mais de 20 anos se passaram, e semelhante ao filho pródigo, o pródigo pai, gastou todo o seu dinheiro, as conseqüências do cigarro, do álcool, das farras começaram a aparecer juntamente com a idade mais avançada.
Chegou o momento que não era mais atrativo para as mulheres, a solidão repousou sobre sua vida.
Por alguma razão, os filhos do pai pródigo sempre o esperavam de volta ao lar, mesmo com a oposição da sofrida esposa.
Uma de suas filhas que tinha 9 meses quando papai saiu de casa, em pleno conflitos da adolescência encontrou outro PAI,e Este cuidou dela, tomou em seus braços,sarou suas feridas...
Mesmo com o Pai amoroso, a filha queria encontrar seu pai terreno, por isso pediu para seu Pai Celeste ajudá-la.
Numa tarde de sexta-feira, com muita euforia, duas filhas do pai (eu estava ansiosa) o -esperava na rodoviária da cidade em que sua família residia.
Derrepente ,emocionada, minha irmã aponta para alguém descendo com dificuldade do ônibus, e diz: - ali está ele, nosso pai!
Não! Eu não podia acreditar no que via, as poucas fotos que tinha em casa, e nas pequenas lembraças
Que eu cultivara, era de um homem bonito, forte...
Havia algum equívoco, é certo que os anos se passaram, mas seria mesmo meu pai, este homem sujo, bêbado, velho, cambaleando com uma mochila nas costas?
Não, eu não tive nenhuma das reações que o pai da parábola do filho pródigo teve, pelo contrário, meu coração se encheu de decepção, tristeza e dor...
Eu queria fugir dali, sair correndo.
Para meu alívio, ele não viera para ficar, então me arrependi das orações que havia feito para encontrá-lo e contei os dias para sua partida.
Em menos de um ano, recebemos a notícia de que ele havia sofrido um derrame e não teria mais condições de viver sozinho numa ilha onde passava seus dias com a pinga, a sujeira e a solidão.
Desta vez, o retorno do pai pródigo era definitivo.
Há 12 anos o nosso pai retornou para “casa”, sua esposa (que faleceu há quatro anos), liberou perdão, todavia, jamais o aceitou como esposo novamente.
Seus filhos, começaram intermináveis reuniões e discussões para definir quem cuidaria dele, fazer cronograma etc.
O pai pródigo não recebeu um anel no seu dedo, nem uma festa com o melhor churrasco, mas tornou-se um fardo para seus filhos já adultos, quase todos casados, com filhos, tabalho ente outros afazeres.
A situação piorou quando o pai pródigo perdeu uma de suas penas. Foi necessário amputá-la por conta de uma trombose.
Hoje as coisas parece que estabilizaram mais, papai recebe sua aposentadoria e mais a que era da mamãe, valor suficiente para pagar alguém que cuide dele.
Papai recebe visitas de todos os filhos e netos.
Alguns filhos 0-visitam com mais freqüência. Acredito que todos liberaram perdão a ele, entretanto, acredito que nenhum filho conseguiu estabelecer vínculo satisfatório a ponto de sentir saudade ou coisa parecida.
Há dois finais de semana, minha família e mais 3 de minhas irmãs fomos visitá-lo (ele mora numa casa em anexo coma casa de uma de minhas irmãs),ao se despedir, não tem como não sentir compaixão entre outros sentimentos.
É estranho ver alguém que abandonou tudo em busca de “liberdade”, preso numa cadeira de roda, sem voz, sem nada daquilo que lhe causava prazer.
Mas te tudo isto, resta uma esperança, é sim, para o papai pródigo, há esperança!
Em uma visita com um grupo de amigos e irmãos da igreja em que congrego, papai aceitou o apelo, aceitou Jesus!
Papai sabe que para nós filhos, ele é o “pai problema”, MAS , para Deus, ele é o legítimo filho pródigo, haja visto que conhecera Jesus na sua juventude e sabe, que as misericórdias do nosso Deus se renova a cada manhã.

“Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim e dos teus pecados não me lembro” (Isaías 43:25).









2 comentários:

Marcia do Rafa disse...

Emocionante este post... Ainda mais por saber que Deus apaga nossas transgressões...Graças a Deus pela salvação do seu pai me lembra uma parabola que Jesus contou sobre trabalhadores mesmo que venha por ultimo receberá o pagamento... a Cruz de Jesus nos garante vitória e perspectivas mesmo que humanamente não enxergamos...

Patrícia Angélica disse...

Nossa... Que situação difícil!!! Mas, Deus sabe de todas as coisas, e Ele sempre resolve tudo.

Um beijos