segunda-feira, 30 de julho de 2012

Privilégio


Hoje,  30 de julho  de 2012, dia que meu bebê completa 4 meses. Caso eu não tivesse optado por não trabalhar fora, seria dia de voltar ao trabalho.
Há exatamente 4 anos, ao findar a licença maternidade do meu segundo filho, eu pedi  exoneração de um concurso público.
Nesses  4 anos sem “meu” salário tem sido um grande desafio. Percebo claramente o trabalhar de Deus  e seus propósitos se cumprindo na minha vida. Desde minha infância trabalhei fora e atualmente, sou dependente financeiramente...
Por vezes, sinto uma imensa vontade de levantar de manhã , me arrumar e ir para o trabalho e, no final do mês, receber meu salário.
O período mais difícil é quando a renda familiar parece não “ dar conta” das despesas, mas de qualquer modo, sempre contemplo as nossas necessidades supridas.
Esta semana pensei muito nisso: como seria se eu tivesse que voltar ao trabalho hoje? Me causa um mal estar só em pensar  levar meu bebê logo de manhã para uma escola, haja visto que jamais deixaria em casa com babá.
A Sara e o Davi também teriam que passar o dia na escola...e a noite, os três teriam de mim o que restou de um longo dia do trabalho.
Analisando bem, comprar sapatos extras e roupas de marcas  entre outras “coisinhas”tanto para mim quanto para as crianças  ficará para segundo plano. Enquanto for possível ficarei aqui totalmente “incorporada” de dona de casa, cozinhando para minha família, vendo meus filhos dormirem e acordarem, amamentando meu bebê exclusivamente no peito e ao findar do dia, embora cansada, com o coração grato dizer ao Senhor: Pai, eu tentei dar o melhor de mim, me perdoa se por vezes reclamo, cuidar das heranças que me confiaste não tem preço, é um privilégio.

3 comentários:

Marcia do Rafa disse...

lindo, lindo!

Juliana disse...

Com certeza fez a melhor escolha Cleonice, pois cuidar de nossos pequenos e ver o desenvolvimento deles a cada dia sem perder nenhum momento nao tem preço.

António Jesus Batalha disse...

Irmã Cleonice foi bom encontrar o seu blog,e poder ver e ler o que está a escrever pois
tenho encontrado bons textos, que edificam e ajudam a cada um.Já algum tempo que não lhe fazia uma visita.
Continue nesta força e na firmeza da Santa Palavra, pois é essa nos trás conforto e segurança.
Sou António Batalha, do Peregrino E Servo.
Deixo-lhe a minha bênção, e que a paz de Jesus encha sempre
seu coração.
Abraço.